All posts by Markering Perfect Flight

14 fev 2019

Tecnologia no campo permite controle assertivo da safra.

No Campo Digital do Dia Dia Rural da segunda-feira, dia 04/02/2019, o apresentador Otávio Ceschi Júnior recebeu nosso gerente de sustentabilidade, Rafael Ferreira, para falar sobre como tecnologia no campo permite controle assertivo da safra. Confira na integra pelo link abaixo: https://tvterraviva.band.uol.com.br/noticia/100000948241/tecnologia-no-campo-permite-controle-assertivo-da-safra.html?mobile=true Fonte: Dia Dia Rural
07 fev 2019

Mato Grosso lidera a produção de soja

Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do sul e Goiás são responsáveis por mais da metade da safra de grãos do Brasil, graças a alta tecnologia e disponibilidade de terras. O estado do Mato Grosso, com 58 milhões de toneladas, lidera a produção de grãos no país. Logo em seguida segue Paraná com 41,5 milhões, Rio Grande do sul com 53,3 milhões e em quarto lugar, com 22 milhões de toneladas, fica Goiás. Os quatro estados juntos concentram 67% da safra nacional. Segundo o secretário de Política Agrícola no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Sávio Pereira, essa liderança deve-se ao fato de ter uma alta tecnologia e terras nesses estados a disposição. Ele ainda ressalta que ‘’O plantio e a colheita de soja já nasceram sofisticados e mecanizados no Brasil. A soja foi o principal vetor de modernização da agricultura no País”. Fonte: Governo do Brasil
29 jan 2019

#PerfectNaMidia O Uso da tecnologia na produção agrícola

O Product Development Maneger da Perfect Flight, Rodrigo Santa Maria, contou um pouco, na Revista Fonte, sobre o uso da tecnologia na produção agrícola e como a Perfect Flight usa a tecnologia para ajudar empresas a terem um resultado melhor.

Confira o artigo completo:

O Uso da tecnologia  na produção agrícola

Com o crescimento populacional do mundo, a demanda da produção agrícola aumentou, incentivando a busca por novas tecnologias e maneiras de alcançar resultados mais assertivos e sustentáveis. Hoje, a preocupação das pessoas sobre o que se ingere é cada vez maior, e comprova a necessidade de dar mais importância para a qualidade da agricultura e dos produtos produzidos.   De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a produção agrícola mundial deve crescer 20% em dez anos. O Brasil, atualmente como terceiro maior exportador, ficando atrás apenas dos Estados Unidos e da União Europeia, possui um papel importante no atendimento dessa demanda.   Uma das formas de se otimizar a produção agrícola é por meio da utilização da tecnologia, seja com a melhoria de soluções agroquímicas e biológicas, como melhores produtos fitossanitários e aperfeiçoamento da genética de sementes e de animais de corte, seja com o aperfeiçoamento de processos de criação, produção e gestão. Em todas as frentes, a tecnologia tem um papel fundamental nessa revolução.   Contribuição de startups brasileiras para o agronegócio nacional   As chamadas “agritechs”, startups de tecnologia voltadas para o agronegócio, são responsáveis por uma parte relevante das conquistas da produção agrícola brasileira nos últimos anos. Elas promoveram uma revolução no campo, com ganhos de produtividade, qualidade e renda aos produtores.   Em um mapeamento realizado pela consultoria KPMG, em parceria com a Distrito, verificou-se que já existem pelo menos 135 empresas de tecnologia voltadas exclusivamente para o agronegócio, de um total de cerca de 7 mil startups em todo o Brasil, o que comprova que a busca por inovação é uma tendência e, também, uma necessidade.   Até poucos anos atrás, pequenos produtores ou produtores familiares tinham resistência ao uso de tecnologias. Felizmente, esse cenário vem mudando drasticamente. Se antes o produtor confiava em sua intuição na hora de plantar, colher ou irrigar, agora ele conta com informações precisas colhidas no campo e cruzadas com diversas outras fontes, como previsões climáticas e imagens atualizadas de satélite ou drones.   Auxílio tecnológico na gestão da aplicação aérea de defensivos   O uso de defensivos é uma atividade primordial na produção agrícola. Sem essa prática, as culturas ficariam reféns da sorte contra o ataque de larvas, fungos ou quaisquer outros elementos que podem atrapalhar a produção. Além disso, a aplicação aérea é uma atividade cara e que, se não for realizada corretamente, pode trazer prejuízos ao produtor e às regiões vizinhas, caso o produto seja aplicado em áreas de proteção ambiental, como mananciais ou áreas habitadas.   Para grandes produtores, com extensas áreas plantadas, a aplicação aérea é a opção ideal, pois a aeronave oferece maior rendimento e rapidez. Pensando nisso, a startup paulista Perfect Flight criou um sistema que permite visualizar com precisão, por meio de mapas, qual foi a qualidade e o rendimento da aplicação de defensivos realizada. Pioneira nesse setor, a startup nasceu pela necessidade de dois de seus sócios, os primos Josué e Kriss Corso, que, como produtores de algodão e utilizadores massivos da pulverização aérea, não possuíam dados que permitissem analisar a qualidade das aplicações realizadas. Por isso, muitos problemas decorrentes da má aplicação não eram possíveis de serem detectados e corrigidos, até que um sinal negativo surgisse na lavoura.   Diante dessa necessidade, foi desenvolvido um sistema computacional em nuvem, capaz de ler os dados gravados nos arquivos de LOG (uma espécie de arquivo de voo, que contém dados aéreos e da aplicação) das aeronaves e criar um relatório com um mapa visual da aplicação e dados que permitem analisar a qualidade da ação, no final de 2015. Atualmente, o sistema também oferece um relatório ambiental, que mostra os parâmetros de segurança de áreas restritas.   O uso contínuo das funcionalidades do sistema e o acompanhamento regular da qualidade da aplicação aérea garantem expressivos resultados no aumento da produção e na qualidade das safras. Um dos casos de sucesso da Perfect Flight é uma usina de cana-de-açúcar do estado de São Paulo que adotou a utilização do sistema na safra 2016/2017 e 2017/2018. No período, 78.523 hectares plantados receberam 369 aplicações via pulverização aérea. A ferramenta permitiu uma melhora de 13.46% no Índice de acerto das aplicações, 6.99% no Índice de Perdas, 8.26% no Índice de Falhas e 8.46% no Índice de Uniformidade das aplicações.   Os números demonstram o impacto da tecnologia tanto na economia de produtos químicos, que deixaram de ser desperdiçados com perdas e falhas, quanto no aumento da produtividade e, consequentemente, rentabilidade da empresa.    
Texto editado pela assessoria de imprensa da Perfect Flight. Você pode conferir a matéria na íntegra na Revista Fonte.
 
22 jan 2019

Safra nacional 2018/19 de algodão pode alcançar recorde de produção

Pesquisas apontam que há expectativa de recorde da produção da safra nacional 18/19 de algodão em pluma, motivada pela elevação da área semeada.   O crescimento se dá, pois, a rentabilidade do algodão é maior em relação às outras culturas concorrentes em áreas e ao ambiente favorável a serem cumpridos nos próximos anos.   O algodão era, no período de tomada de decisão 2018/2019, uma das poucas culturas com expectativas de manutenção de preços atraentes. Por isso, grande parte dos produtores aumentaram a área ou passaram a cultivar o algodão.   De acordo com o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA), O Mato Grosso deve cultivar na safra 2018/12019 uma área recorde de algodão. Para a atual safra, o Imea estimou uma lavoura de 937,8 mil hectares, 18,1% maior que a anterior.   O Brasil, pelo segundo ano consecutivo, continua como o quarto maior produtor do mundo e estima-se que ele deva se tornar o segundo principal exportador, atrás apenas dos estados Unidos.  
Fonte: CEPEA

Load More
Something is wrong. Response takes too long or there is JS error. Press Ctrl+Shift+J or Cmd+Shift+J on a Mac.